potes – Groupack

Saiba quais fatores atraem riscos de contaminação para cosméticos embalados em potes plásticos rígidos

A indústria de cosméticos sofre dos mesmos problemas que recai sobre outros setores quando falamos de controle de qualidade sobre as boas práticas de fabricação de produtos. Em 2018, a Delta Pharma,que também atende o segmento farmacêutico, foi alvo de investigação pela Food and Drug Administration (órgão americano equivalente a Anvisa) e concluiu que uma fábrica da empresa situada no estado de Mississippi estava operando em condições irregulares, fato que permitiu a contaminação microbiológica de diferentes produtos, inclusive, na fase de embalamento dos potes, onde a exigência por requisitos técnicos costuma ser bem exigente.

Para garantir a proteção que uma embalagem deve fornecer, toda a cadeia de produção requer atenção, e não pode em hipótese alguma se colocar como infratora das normas técnicas responsáveis por assegurar o perfil mínimo de segurança.

Veja então quais fatores podem atrair riscos de contaminação para os cosméticos embalados em potes plásticos rígidos!

Potes: baixa proteção à umidade

A maioria das pessoas costuma armazenar os seus cosméticos no pior lugar possível: o banheiro. O cômodo é úmido, acumula vapor e sofre muitas variações de temperatura, ou seja, todos os componentes necessários para diminuir o tempo de vida de uma maquiagem ou outro produto de beleza.

Uma boa saída para embalar cosméticos, principalmente os produtos para o cabelo que são guardados em locais úmidos e molhados, é utilizar plásticos à base de polietileno de alta densidade (PEAD). Este tipo de plástico é:

  • Resistente a altas temperaturas;
  • Resistente à tensão;
  • Impermeável;
  • Atóxico;
  • Detentor de baixa densidade quando comparado com metais.

Não garantia de inviolabilidade

As garantias de que o produto não será violado é fundamental para a redução de riscos de contaminação. O mercado oferece muitas opções, seja com lacre de potes plásticos, ou mesmo o alumínio laminado com polietileno. Este último geralmente é utilizado em embalagens de vidro, porém vem perdendo espaço pela fragilidade do seu material, peso (determinante para o encarecimento do produto) e além do fato de que o vidro não propicia um escoamento otimizado, a alta fluidez sempre acarretará perda durante o uso. Um fator diferencial dos potes plásticos rígidos é a capacidade de o consumidor usufruir do produto até a última pasta.

Baixo potencial comunicativo

O conteúdo do rótulo de potes é tão importante quanto o resto das etapas de processamento de fabricação de uma embalagem. As informações necessárias para o manuseio e armazenamento correto contribuem para a redução de contaminações acidentais que poderiam facilmente ter sido evitadas a partir de uma comunicação eficaz.

Muitas embalagens de cerâmica vêm perdendo espaço paraas de plástico rígidas em virtude da capacidade desta se adaptar tão bem à técnica de personalização In Mold Label. A customização da arte da embalagem é feita por meio de injetoras automatizadas que decoram diretamente no molde. Isto elimina a necessidade de práticas como colagem de rótulos e serigrafia, diminuindo ainda o risco de migração de substâncias químicas para o produto.

Pouca transparência do fabricante

A credibilidade e o histórico do fabricante da embalagem contam muito no momento de checar as probabilidades de riscos de contaminações nos cosméticos. Trabalhar com empresas responsáveis por confeccionar potes de plásticos rígidos certificados nas mais atuais normas técnicas é um passo correto em direção à garantia de qualidade.

Veja se a empresa disponibiliza os seus certificados e histórico de testes de qualidade. Ligue, navegue pelo site, peça algum material técnico capaz de comprovar toda a expertise. Saber o tipo de matéria-prima com a qual são fabricados os potes também é importante para qualquer política que vise fortalecer a sustentabilidade. A clareza das informações facilita a triagem durante a coleta e reciclagem.

Quando comparado com outras embalagens, os potes de plásticos rígidos acabam possuindo um melhor custo-benefício e cumprem muito bem o papel de minimizar os riscos de contaminação em cosméticos. Obviamente, todos os itens deste artigo devem ser levados em conta na hora de pesquisar o fabricante ideal.

Os potes vêm elevando a experiência do consumidor. Não esqueça que os hábitos de consumo devem sempre nortear as decisões da empresa. Como já falamos, adquirir uma embalagem com esse perfil é ao mesmo tempo livrar-se de problemas comuns em outras, como o aparecimento de ferrugem e um acondicionamento equilibrado em termos de temperatura.

Potes para cosméticos

Quais as vantagens da embalagem plástica rígida na produção de alimentos?

Baldes e potes plásticos são exemplos de embalagens que agregam valor ao produto final e destacam-se frente a outros tipos de materiais que vêm perdendo espaço

 

A competição na indústria de alimentos tem ficado acirrada ano a ano. Além dos hábitos dos consumidores que mudaram, o mercado busca incansavelmente por novas soluções para a cadeia de logística que reflitam um melhor custo-benefício. Uma constante no cenário tem sido a busca por melhores embalagens, com a unanimidade convergindo para a adoção de embalagem plástica rígida, que consegue unir diferentes benefícios, priorizando tanto eficácia e sustentabilidade.

As embalagens são constantemente motivos de discussões quando o assunto é proteção e conservação, porém não podemos esquecer o poder de vendas que elas carregam. Cada rótulo de um balde ou pote possui um papel a desempenhar nas gôndolas de supermercados ao procurarem destacar-se frente a inúmeras outras e assim realizar uma espécie de marketing curto — de segundos — para atrair o consumidor.

Alguns dos itens fundamentais para se ter como critérios e assim não errar na escolha:

  • Potencial comunicativo
  • Manuseio 
  • Armazenamento
  • Durabilidade
  • Estética
  • Impacto ambiental

Viu que não se trata de pouco, não é? Portanto, saiba mais e veja quais as vantagens em se utilizar uma embalagem plástica rígida!

Maior proteção

Devido à larga espessura, a embalagem plástica rígida é uma das melhores opções em proteger o alimento. Quando comparada à embalagem flexível, que possui tamanho inferior a 250 micra de espessura, a rígida larga na frente ao propiciar uma maior segurança no armazenamento e durabilidade do material por conta do tamanho maior. Isto também dá garantias de confiança a quem for manusear o produto, pois lida com um material mais resistente diferente, por exemplo, de embalagens de vidro.

Quem trabalha no setor já deve estar acostumado com acidentes envolvendo perfurações e outros tipos de vazamentos ligados às embalagens. Lidar com uma matéria-prima rígida é um dos passos para garantir sucesso no transporte e empilhamento do produto, algo eficaz e que irá aliviar as preocupações de todo gerente.

Material asséptico

Um produto industrial limpo em contato com alimentos é um item essencial no planejamento de todos aqueles que trabalham no setor alimentício. As boas práticas de fabricação exigem atenção durante as etapas de processamento para que a segurança alimentar não fique comprometida. Ser leviano nesta parte pode resultar em danos irreparáveis ao consumidor e problemas jurídicos capazes de pôr fim à empresa.

Uma embalagem plástica rígida é elaborada com material virgem e atóxico, o que a assegura dentro do regramento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). O documento procura deixar claro quais tipos de materiais podem entrar em contato diretamente com o alimento e o limite máximo de determinadas substâncias presentes nas embalagens. Tipos de embalagens que costumam sofrer com isso são as de alumínio que possuem uma maior incidência de corrosão e migração de substâncias do metal, além do encarecimento na produção por conta do peso do material.

Boa personalização

Baldes e potes podem ter seus rótulos facilmente personalizados por meio de serigrafia e de In Mold Label, técnica esta tida como a mais moderna que há no mercado para impressão de estampas, ao invés de adesivos comumente falhos na colagem e incapazes de permanecerem inteiros com o passar do tempo, sem falar na possibilidade tóxica que podem acarretar à embalagem. O processo de In Mold Label acaba sendo a melhor opção pela sua qualidade e por promover a sustentabilidade ao permitir a reciclagem integral, sem a preocupação de contaminação que ocorre no caso dos adesivos.

A sofisticação da técnica permite a escolha de inúmeras cores e, consequentemente, uma maior liberdade para o uso da criatividade no design do rótulo. Resistência ao atrito e a diferentes temperaturas também fazem desta uma escolha cada vez mais frequente para a embalagem plástica rígida e para o mercado no geral.

Valor sustentável

Um fato importante que vem ganhando destaque no mercado é a conscientização cada vez maior do consumidor perante hábitos sustentáveis e éticos das empresas que compõem a indústria de alimentos. A pesquisa Brasil Food Trends 2020 tem confirmado muitas de suas previsões para o mercado e aponta um relevante dado: 21% da amostra entrevistada afirma levar em conta a sustentabilidade praticada pelas empresas.

Diante do cenário que se forma, escolher uma embalagem potencialmente reciclável é uma estratégia cada vez mais obrigatória. A opção por uma embalagem plástica rígida pode levar a uma saída renovável e a um aumento do valor agregado do produto. Diferentemente, por exemplo, como ocorre com a embalagem cartonada que por ter várias camadas acaba dificultando o processo de reciclagem.

Tanto a reciclagem primária quanto a secundária são opções iniciais e menos complexas para o reaproveitamento de resíduos do material. Porém, é bom lembrar que quando falamos em embalagens de alimentos, dificilmente o material poderá ser reutilizado para este fim, portanto cabe aqui criatividade e capacidade de integração com outras áreas da empresa, que não as de P&D.

Uma embalagem plástica rígida acaba sendo a melhor opção em termos de custo-benefício para a indústria de alimentos. O apelo das características mecânicas mais a resistência a variações de temperaturas fazem desta uma escolha desde o início bastante sedutora. É seguro também falar que os ganhos com o potencial sustentável do material são grandes. Quase 30% do lixo mundial é originário de embalagens descartadas, ter a oportunidade de diminuir esse número é algo que não pode ser desprezado pelos players do mercado.

Gostou do artigo? Então vai lá e compartilha nas suas redes sociais!

e-book alimentos

Design de embalagem: como o rótulo influencia o consumidor?

O rótulo é a sua chance de causar uma boa primeira impressão. Veja como o design de embalagem influencia o processo de vendas do seu produto!

 

O ditado popular avisa: a primeira impressão é a que fica. Isso quer dizer que o design de embalagem é — ou pelo menos deveria ser — uma pauta de grande importância em qualquer empresa que deseja vender seus produtos.

Ao chegar a uma loja, o consumidor terá inúmeras opções à sua disposição e, frequentemente, quem tem a melhor embalagem começa a corrida um passo à frente. É claro que desenvolver produtos de qualidade é importante para fidelizar seu cliente.

Porém, se a sua embalagem não chamar a atenção, pode ser que o negócio nem tenha a chance de mostrar o bom trabalho feito pelo time de desenvolvimento de produto. Como o design de embalagem influencia a decisão de compra do consumidor? Continue lendo e descubra!

Por que o design de embalagem é importante?

Já que começamos usando ditados populares, vamos citar mais um: nunca julgue um livro pela capa. Apesar de bonito, esse conselho é, na prática, totalmente oposto aos nossos instintos. Nós julgamos pela aparência e somos diretamente influenciados pela maneira que um produto é apresentado.

Os olhos são uma das mais importantes ferramentas que temos para analisar o mundo. Por isso, mesmo que de maneira inconsciente, prestamos atenção à embalagem de todos os itens que consumimos. O design de embalagem visa tornar os produtos mais atraentes aos olhos do consumidor e gerar mais oportunidades de vendas.

Como o rótulo influencia o consumidor?

Uma pesquisa intitulada “Packaging Matters” mostrou que 42% dos consumidores já usaram um produto com maior frequência porque gostaram da embalagem e 65% resolveu experimentar um novo produto pelo mesmo motivo. Além disso, 74% afirmam que escrever as informações corretas no rótulo aumenta a confiança na empresa.

De uma só vez, vemos que o rótulo e o design de embalagem ajudam na prospecção de novos clientes, na fidelização dos antigos e na construção de um bom relacionamento entre marca e consumidor. Ou seja, se você ainda não tem feito isso, provavelmente está na hora de dar mais importância ao assunto e otimizar suas embalagens plásticas!

Como otimizar o design de embalagem?

Veja alguns pontos que devem ser levados em conta no design de embalagem.

Cores

As cores têm influência nos sentimentos que a pessoa experimenta ao olhar para o objeto. Por isso mesmo, existe até uma teoria das cores a ser levada em conta na hora de fazer o design de embalagem e da marca.

Marca atraente

A sua marca vai aparecer na embalagem, mas será que ela está atraente? Antes de pensar na embalagem, pense no design da sua marca e crie uma boa identidade visual para ela, que esteja alinhada com os objetivos e com o público da empresa.

Materiais de qualidade

O design da embalagem também envolve a parte técnica de escolha do material. Opte por um material condizente com a qualidade e valor agregado do produto e escolha um fornecedor que traga um bom custo-benefício.

Praticidade

Ninguém gosta de uma embalagem que dá trabalho demais para abrir ou que não pode ser carregada com facilidade quando necessário. A embalagem deve ser prática e permitir abertura simples, fechamento seguro e manuseio de forma ergonômica.

Tecnologia

Por fim, priorize a utilização de tecnologias inovadoras para otimizar o design de embalagem. Por exemplo, com o uso de In-mold Label, é possível produzir embalagens com uma aparência “sem rótulo” e uma qualidade gráfica inatingível por outros métodos de pós-decoração.

Nesse processo, o rótulo é colocado dentro do molde e fixado na posição correta por meio de uma descarga elétrica ou usando vácuo. A seguir, o processo de injeção acontece normalmente e, ao fim do ciclo, o rótulo está perfeitamente combinado com a embalagem em uma peça única.

Fotografias, ilustrações nítidas e até mesmo imagens tridimensionais podem ser projetadas em uma etiqueta e ela se torna parte integrante do produto em vez de ficar do lado de fora da peça. O rótulo, portanto, assume valor estrutural e decorativo. O mercado mundial de In-mold Label movimentou 2,7 bilhões de dólares em 2017 e as previsões esperam que ele cresça a uma taxa anual de 5% entre 2018 e 2025.

E para encerrar a sequência de ditados populares, aqui vai o último: você não tem uma segunda chance de causar uma boa primeira impressão. Comece já a otimizar o seu design de embalagem para deixar seus produtos em evidência e superar seus concorrentes!

Quer conhecer mais sobre o processo In-mold Label? Entre em contato agora mesmo e fale com um dos nossos especialistas!

e-book alimentos

O design de embalagem e a percepção da qualidade

A importância do design de embalagem para a decisão de compra e percepção da qualidade do produto

 

A embalagem é um vendedor silencioso. Por ser o primeiro contato do consumidor com a marca, a embalagem é pedra fundamental para a construção da identidade da marca de um produto. Ao mesmo tempo, deve ser capaz de suscitar interesse e desejo no consumidor. Veja no post a seguir alguns aspectos importantes do design de embalagem para a construção da percepção de qualidade de um produto pelo consumidor final.

1. O design de embalagem deve vender o produto por si só

A construção da percepção do consumidor a respeito da sua marca ocorre numa fração de segundo. Por isso, cabe à embalagem atrair a atenção do consumidor, provocando nele interesse e desejo. Isto é, a embalagem é uma das primeiras formas de comunicação com seu público, devendo ser planejada em conjunto com o produto que se almeja vender. Nesse sentido, a embalagem precisa fazer o produto “falar por si só”, atuando como um vendedor disfarçado e promovendo seu produto diante dos olhos do consumidor.

2. A embalagem deve ser conveniente

O design de embalagem é inseparável do produto e da etapa da cadeia de valor em que está situado. Por isso, o formato e material que compõem a embalagem devem ser elaborados de acordo com o estágio de produção, compra e venda. Em outras palavras, um recipiente apropriado para o armazenamento na fábrica nem sempre será conveniente para o consumidor final.

No caso da indústria alimentícia, por exemplo, existem vários formatos de embalagem. Uma fábrica de polpa congelada de açaí pode ser fornecedora de uma lanchonete ou de um supermercado que pretende vender porções individuais. Nestes casos, as embalagens precisam ser pensadas caso a caso, para garantir que a manipulação do produto possa ser feita de modo a facilitar a vida do consumidor.

Para a lanchonete, é mais conveniente a adoção de embalagens rígidas, como baldes. Já para o supermercado, potes pequenos facilitam sua manipulação pelos clientes e seu posicionamento nas gôndolas pela loja.

3. A embalagem deve ser diferencial de mercado

Há muita informação disponível atualmente, e o perfil dos consumidores tem se tornado mais exigente. Com isso, as indústrias de embalagem têm percebido a oportunidade de diferenciação no mercado por meio do design de embalagem.

Porém, não basta o pacote, recipiente ou pote ser bonito, inviolável e preservar o sabor e o frescor de produtos alimentícios. A percepção dos consumidores quanto à qualidade é mais sutil. Atualmente, as embalagens são desenhadas a partir de linguagens visuais capazes de conectarem-se com o consumidor no nível emocional.

É um fato conhecido da indústria do marketing que a maioria das decisões de consumo é tomada por razões emocionais, principalmente desejo. Assim, a embalagem que conseguir agregar com sucesso o aspecto funcional e a comunicação sutil com o consumidor será capaz de se diferenciar no mercado.

4. A embalagem deve comunicar a qualidade do produto

O que torna uma embalagem atraente é a combinação bem sucedida de diferentes linguagens. Nesse sentido, a embalagem deve engajar os cinco sentidos de modo a comunicar-se psicologicamente com o consumidor. Assim, o design de embalagem deve propiciar uma experiência estética que comunique a qualidade do produto. Entre os elementos estéticos estão os visuais (tipografia, cor, formato), táteis (material e textura) entre outros. Como podemos notar, a percepção de qualidade de um produto a partir de sua embalagem é uma construção subjetiva.

Enquanto uma das principais mídias de um produto, a embalagem precisa destacar os diferencias competitivos do mesmo. Por essa razão, elementos gráficos são usados, de modo a causar impacto visual para criar vínculos com o consumidor. Porém, no âmbito das embalagens industriais, o aspecto funcional não pode ser descartado. Nesse sentido, a embalagem deve ser capaz de interagir com todos os processos da produção e da venda do produto e também fidelizar o consumidor, transmitindo confiabilidade.

Portanto, as embalagens hoje são diferenciais de mercado em qualquer estágio da produção. Dessa forma, o design de embalagem deve ser capaz de comunicar a identidade da marca instantaneamente ao mesmo tempo em que suscita o desejo no consumidor. Mas não basta ser o vendedor silencioso: a embalagem deve ser também funcional e transmitir confiabilidade e qualidade para conquistar a fidelidade do consumidor.

Quer saber mais sobre o que é e como é feita uma embalagem de qualidade? Conheça o processo de personalização In Mold Label da Groupack!

e-book alimentos

Groupack, 2018. Webdesign e desenvolvimento: viniciusofp | Hineo Marketing