julho 2018 – Groupack

Árvore de decisão do consumidor: qual o papel da embalagem?

Quando um consumidor chega ao ponto de venda para realizar uma compra, ele passa por uma árvore de decisão. Nesse processo, diversos aspectos dos produtos são avaliados e a embalagem é um deles.

Mesmo que inconscientemente, o consumidor compara as opções segundo as suas necessidades e, num mercado tão competitivo, cada detalhe conta.

Mas o que será essa tal de árvore de decisão e o que a embalagem tem a ver com isso? Como a embalagem influencia a percepção da minha marca? Acompanhe para entender!

O que é a árvorede decisão do comprador?

É um conjunto de fatores que descrevem o comportamento do consumidor no ambiente de compras. A árvore de decisão é criada pelo cliente a partir de suas necessidades e desejos e, com base neles, são gerados atributos que são importantes para a compra.

Por exemplo, se uma pessoa precisa comprar um novo shampoo porque não está gostando do resultado do produto atual, ela chega até a loja com algumas necessidades e cria uma árvore de decisão mais ou menos assim:

  • Tipo de cabelo: cacheado;
  • Características principais: adequado para cabelos secos;
  • Fragrância: agradável, não muito forte, preferencialmente de frutas;
  • Tamanho: o que for mais vantajoso em termos de preço;
  • Embalagem: pote que seja fácil de usar;
  • Preço: até X reais;
  • Marcas: A, B ou C.

Algunsdesses atributos são pensados pelo cliente com base em suas experiências anteriores, indicações de amigos, propagandas etc. Outros, são muito menos conscientes e motivados pelo lado emocional, apelo visual e atratividade do produto na prateleira.

Qual o papel da embalagem nesse processo?

Vários atributos da embalagem são observados pelo consumidor durante o processo de decisão de compra. Antes de mais nada, a embalagem é a principal imagem do seu produto. O cliente vai observar cor, tamanho, forma, rótulo e tudo mais relacionado ao aspecto visual. Lembre-se: você não terá uma segunda chance de causar uma boa primeira impressão.

Se o cliente ainda não conhece a sua marca, ter um rótulo bem desenhado, bonito e criativo pode chamar a atenção dele. Em meio a tantas outras marcas, o que você tem feito para se destacar? O seu produto é só mais um na prateleira ou ele tem apelo visual?

Se o consumidor já conhece a sua marca e está considerando comprá-la, a embalagem continua a influenciar. Primeiro, você tem que ter informações claras no rótulo e não deixar o consumidor em dúvida quanto a nenhum aspecto do seu produto.

Outro papel importante da embalagem no processo de decisão está relacionado à praticidade no uso. Ninguém gosta de comprar uma embalagem que é difícil de abrir, que desperdiça produto ou que o uso não é ergonômico. Todos esses itens entrarão na árvore de decisão do consumidor.

O que a embalagem diz sobre a sua marca e o seu produto?

Como já falamos, ela é a forma de apresentação do seu produto e ela vai dar a primeira impressão sobre ele. Nós compramos primeiramente com os olhos e, por isso, o rótulo, as cores, o material, o tamanho e até o peso da embalagem dizem muito sobre a sua marca.

Além do momento da compra em si, a embalagem continua a falar em nome do seu produto e da sua marca durante o uso e, posteriormente, no descarte dela. Você provavelmente já comprou um produto que era difícil de abrir ou de usar por causa da embalagem e acabou se irritando com isso, não é mesmo?

Portanto, ao desenhar e escolher sua embalagem, pense em como ela se comunica com o consumidor durante a árvore de decisão de compra e durante o uso do produto.

Como vimos, a árvore de decisão do consumidor envolve inúmeros aspectos relacionados às necessidades e desejos dele e às características do produto. No fim das contas, vence a concorrência quem consegue agregar mais pontos em meio aos critérios de seleção.

Além da qualidade do produto em si, a forma como ele é apresentado também conta muito na árvore de decisão. Portanto, uma boa embalagem e um bom rótulo podem ajudar a tirar o seu produto da prateleira diretamente para o carrinho de compras!

Quer continuar lendo sobre a influencia da embalagem no seu produto? Aproveite para entender também a relação entre design de embalagem e a percepção da qualidade!

embalagem

Conheça os fatores de risco que levam a contaminação de um alimento embalado em pote ou balde

Lembro-me de ter ouvido uma vez de uma pessoa após sair de um restaurante: “É comum passar mal no Brasil”. Esta frase pode não ser capaz de generalizar a situação, mas diz muito como anda o imaginário da população sobre a indústria de alimentos. Vários itens podem influenciar na contaminação de um alimento, e a embalagem é um deles. Qualquer pote ou balde utilizado para o acondicionamento deve seguir padrões rígidos de fabricação de modo a garantir a segurança alimentar do consumidor.

Não são poucos os casos de contaminação por embalagens espalhados pelo mundo. As consequências costumam ser colossais, devido à gravidade que podem causar na saúde de uma pessoa e pela proporção que tomam. A Nestlê passou por algo semelhante na Índia ao ter embalagens de seus produtos apresentando altos níveis de chumbo. O estrago estava feito.

Antes de optar por qualquer pote ou balde para embalar o seu produto, preste atenção nos fatores abaixo que podem servir de sinais para você identificar se está ou não lidando com uma embalagem suscetível ao risco de contaminação.

Falta de estrutura do fabricante

É imprescindível que se conheça bem a empresa responsável por fabricar a sua embalagem — seja ela um pote ou umbalde. A infra-estrutura e a expertise contam muito nessas horas, pois todo o trabalho de produção deve ser feito em ambiente controlado de modo a atender às boas práticas de fabricação, como esclarece a Portaria nº 326 da Anvisa.

Certifique-se que o fabricante atende às exigências da Norma Técnica NBR 14952, pois esta é a principal orientação que visa garantir os requisitos mínimos da produção de balde ou pote plástico para uso industrial. Sempre há um teste de estanqueidade durante a fase de obtenção do certificado da norma, de modo a permitir que a embalagem prove a sua eficiência em evitar vazamentos.

Fissuras no pote ou balde

A procedência do material usado paraembalar o alimento deve ser checada. É sempre recomendado buscar por fabricantes que utilizem matérias-primas virgens, pois dessa forma há a garantia de que a embalagem não irá apresentar fissuras. O surgimento deste tipo de problema em embalagens de alimentos é muito perigoso ao permitir a entrada de micro-organismos externos como bactérias, muitas vezes sendo resultante de uma contaminação cruzada — quando há o contato de alimentos crus com cozidos.

A presença de bactérias nos alimentos podem ocasionar gravíssimos problemas aos consumidores. Quando presente no organismo, elas podem ser levadas ao cérebro através da corrente sanguínea e provocar sérios riscos à vida do consumidor. Um dos exemplos de doença bacteriana normalmente originada por consumo de alimentos de procedênciaduvidosa é o botulismo, que dentre os seus sintomas está a paralisação corporal.

Controle de temperatura pouco eficiente

Uma das funções primárias de qualquer pote ou balde usado como embalagem de alimento é justamente para manter o material orgânico em boas condições de conserva. Controle de umidade e de temperatura é fundamental para prolongar a vida útil do alimento e garantir que micro-organismos na atmosfera não contaminem o produto. Embalagens rígidas funcionam muito bem em diversas condições, sendo muito interessante em situações necessárias de se evitar os malefícios da alta incidência de luz.

Alto potencial tóxico

O potencial tóxico da embalagem também deve ser levado em conta, pois a migração de substâncias nocivas para o alimento pode resultar em graves problemas de saúde que muitas vezes somente surgem em um longo prazo.

Mais uma vez, cheque o tipo de matéria-prima utilizada na fabricação do pote ou balde, atentando-se também para se a empresa cumpre os requisitos técnicos exigidos para a fabricação. Embalagens irregulares podem transmitir altas quantidades de acetato de chumbo e de cádmio, até os sais minerais são migrados por conta da tinta presente em algum dos rótulos desses baldes ou potes. Por isto que já é possível ver algumas empresas adotarem métodos mais seguros de personalização da embalagem, como o In Mold Label.

A contaminação vinda de um balde ou pote é danosa em todos os aspectos. Sua frequência vem alarmando diversos institutos fiscalizadores e empresas que naturalmente precisam cada vez possuir mais cuidado na escolha de uma embalagem. Afinal de contas, as consequências podem ser doenças irreversíveis, como o câncer.

Aposto que você quer continuar sendo atualizado sobre essas importantes informações do mundo das embalagens, não? Para continuar sabendo tudo isso curta e siga o nosso Facebook, Instagram e Twitter! Mais posts iguais a este estarão sendo compartilhados nas nossas redes sociais!

e-book alimentos

O que devo saber antes de optar pelo balde como embalagem na indústria química?

Quando se trata de controle de qualidade na indústria química, não há espaço para amadorismos. Sempre desconfie de qualquer empresa que não seja transparente quanto às certificações obtidas para a comprovação de excelência na gestão de qualidade. Contaminações acabam sendo mais comuns do que se imaginam, devido à escolha por materiais não impermeáveis e frágeis em relação a vedação.

Por isso, seguindo os critérios de boas práticas de fabricação para embalar produtos químicos, o balde é uma opção muito interessante quando capaz de atender esse nível de reforço que uma embalagem segura necessita.

Segundo a Organização das Nações Unidas, a produção de químicos deve crescer 3,4% ao ano até 2030. A contaminação proveniente de resíduos dessa indústria sempre preocupa as instituições responsáveis por prever cenários e fiscalizar os procedimentos. O setor de alimentos e o agropecuário parecem ser as maiores vítimas de contaminações. Para se ter uma idéia, das 319 milhões de toneladas de compostos que foram produzidos pela indústria química em 2015, 117 milhões eram nocivos ao meio ambiente.

Portanto, vale a pena dar uma checada no que é fundamental saber na hora de escolher o balde ideal como embalagem na indústria química.

Resistência

O empilhamento e o transporte podem ser converter em dois grandes problemas se estivermos falando de embalagens pouco rígidas. Um balde confiável é aquele que protege também contra adulteração ou perda de integridade, mesmo em ocasiões acidentais. Baldes produzidos em polipropileno ou polietileno são as melhores alternativas para a indústria química, também por atenderem perfeitamente à NBR 14952.  Atualmente o polipropileno randômico tem sido bastante requisitado por possuir maior resistência ao impacto (PP Random apresenta até 67% menos resistência ao impacto se comparado ao Polipropileno normal) e aumentar a transparência e o brilho do produto, isto é devido à cristalização ser dificultada durante o processo químico de fabricação do material.

É imprescindível checar com o fabricante da embalagem se a mesma possui certificação que atenda as exigências da ANTT 5232/16. Ela determina especificidades para o transporte terrestre de produtos classificados como perigosos, incluindo obrigatoriamente todos aqueles com número ONU. Este código segue um padrão internacional e pode ter o produto ou substância consultados aqui.

Conservação

O nível de conservação promovido por um balde é importantíssimo para a vida útil do produto. A embalagem funciona como uma verdadeira barreira de modo a impedir que micro-organismos passem da atmosfera para o composto químico. Ela ainda deve ser capaz de corresponder perfeitamente a um processamento térmico, suportando altas temperaturas; e ao acondicionamento asséptico, não tendo a integridade a hermeticidade do material mesmo após esterilização junto do rótulo e do fecho – ambos em condições assépticas (baldes plásticos garantem estanqueidade mas não garantem hermeticidade).

Sempre tenha em mente um sentido bem amplo para osbenefícios que uma boa capacidade de conserva pode trazer. Baldes acabam sendo preferíveis de serem empilhados, o que é até bom, pois reduz a emissão de CO2. Eles, quando à base de polipropileno ou polietileno, são fáceis de serem esterilizados e assim encaminhados para a reciclagem. Algo fundamental de ser levado em conta na filosofia de conservação da substância armazenada e também no ambiente ao redor —  ponto para a sustentabilidade.

Informação

O conteúdo informativo é tão importante para a embalagem quanto as outras funções. Um balde com capacidade para uma rotulagem eficiente leva segurança ao trabalho da distribuidora, pois terá bem claro as formas de manuseio e estocagem do produto. O cliente da indústria química que opta por um balde propício a ter um bom perfil comunicativo está garantindo que o consumidor não terá problemas em identificar a validade, a quantidade de uso, a temperatura de armazenamento e etc.

Conveniência

A conveniência quando levada em consideração pode levar à redução de custos. Uma embalagem bem projetada facilita a movimentação e o armazenamento durante o transporte (melhor otimização do uso do espaço), além de obviamente utilizar menos recursos para a sua produção. Sistemas de tampa lacrada ou por rosca, devem ser também levadas em conta com relação à necessidade da utilização do produto, sempre respeitando as normas técnicas de fabricação.

Antes escolher um balde como embalagem, é preciso ter atenção aos tópicos abordados anteriormente. Para ter sucesso na escolha, todos os fatores explicados estão ligados diretamente ao know-how e credibiliade do fabricante escolhido. Lembra o que foi dito lá no início? Amadorismo aqui não possui lugar, acidentes químicos são condenáveis e geram consequências irreparáveis.

Para continuar a ficar informado sobre todas as novidades em embalagens industriais. Curta e siga o nosso Facebook, Instagram e Twitter!

Balde

Groupack, 2018. Webdesign e desenvolvimento: viniciusofp | Hineo Marketing